Uma pequena corrente elétrica pode ajudá-lo a recuperar uma memória esquecida

Um estudo realizado por psicólogos da UCLA fornece fortes evidências de que uma determinada região do cérebro desempenha papel crítico na recordação da memória.

 

A pesquisa, publicada no Journal of Cognitive Neuroscience, também mostra, pela primeira vez, que usar uma corrente elétrica que alcance o córtex pré-frontal rostrolateral esquerdo causa formigamento e que esse estímulo melhora a capacidade das pessoas de recuperar memórias.

 

O córtex pré-frontal rostrolateral esquerdo é importante para o pensamento de alto nível, incluindo monitoramento e integração de informações processadas em outras áreas do cérebro.

Esta área está localizada atrás do lado esquerdo da testa, entre a sobrancelha e a linha do cabelo.

O experimento

Os psicólogos realizaram experimentos com três grupos de pessoas cuja idade média era de 20 anos. Cada grupo continha 13 mulheres e 11 homens.

Para os participantes foram apresentados uma série de 80 palavras na tela de um computador.

Para cada palavra, os participantes foram instruídos a imaginar que interagiam, ou viam outra pessoa interagindo com a palavra.

Isso dependia se as palavras “eu” ou “outro” também apareciam na tela. (Por exemplo, a combinação de “ouro” e “outro” pode levá-los a imaginar um amigo com um colar de ouro.)

No dia seguinte…

No dia seguinte, os participantes retornaram ao laboratório para três testes – o primeiro relacionado a memória deles, o segundo relacionado com as habilidades de raciocínio e o terceiro sobre percepções visuais.

Cada participante usou um dispositivo que enviava uma corrente elétrica fraca através de um eletrodo no couro cabeludo para diminuir ou aumentar a excitabilidade dos neurônios no córtex pré-frontal rostrolateral esquerdo.

Aumentar sua excitabilidade tornava os neurônios mais propensos a disparar, o que aumentava as conexões entre os neurônios.

 

Durante a primeira metade do estudo de uma hora, todos os participantes receberam estimulação “simulada” – o que significa que o dispositivo foi ligado brevemente, para dar a sensação de que algo estava acontecendo, mas depois desligado de modo que nenhuma estimulação elétrica fosse aplicada.

Isso permitiu que os pesquisadores medissem quão bem cada participante realizava as tarefas em condições normais.

Durante os 30 minutos seguintes, um grupo de participantes recebeu uma corrente elétrica que aumentou a excitabilidade de seus neurônios, o segundo grupo recebeu corrente que suprimiu a atividade dos neurônios e o terceiro grupo recebeu apenas a estimulação simulada.

Resultados:

Primeiro, os cientistas observaram que não houve diferenças entre os três grupos durante a primeira metade do estudo – quando nenhuma estimulação cerebral foi usada – então quaisquer diferenças na segunda metade do experimento poderiam ser atribuídas à estimulação.

Os escores de memória para o grupo cujos neurônios receberam estimulação excitatória durante a segunda metade do estudo foram 15,4 pontos percentuais mais altos do que seus escores quando receberam a estimulação simulada.

Pontuações para aqueles que receberam estimulação falsa durante ambas as sessões aumentaram apenas 2,6 pontos percentuais da primeira para a segunda sessão – uma mudança estatisticamente insignificante que provavelmente foi devido ao aumento da familiaridade com a tarefa, de acordo com o documento.

E as pontuações para o grupo cuja atividade neuronal foi temporariamente suprimida aumentaram em apenas cinco pontos percentuais, o que os autores também escreveram não foi estatisticamente significativo.

A tarefa de raciocínio do estudo pediu aos participantes que decidissem em sete segundos se certos pares de palavras eram analogias.

Metade dos ensaios apresentava pares de palavras que eram verdadeiras analogias, como “’fosso” é “castelo”, como “firewall” é “computador”. (Em ambos os pares, a primeira palavra protege o segundo da invasão).

A outra metade tinha pares de palavras que eram relacionados, mas não eram análogos.

Os pesquisadores não encontraram diferenças significativas no desempenho entre os três grupos.

Para a tarefa final, concentrando-se na percepção, os participantes foram solicitados a selecionar qual das quatro palavras tem as linhas mais retas em sua forma impressa. (Um exemplo: entre as palavras “símbolo”, “museu”, “pintor” e “energia”, a palavra “museu” tem as linhas mais retas.) Novamente, os pesquisadores não encontraram diferenças significativas entre os três grupos.

O que a pesquisa comprovou é que há melhoria na memória com estimulação dos neurônios nesse sítio cerebral. Mas que o raciocínio não melhora com o aumento da excitabilidade.

Conclusões

Por que as pessoas esquecem nomes e outras palavras? Às vezes, é porque eles não prestam atenção quando a ouvem ou veem pela primeira vez, portanto, nenhuma memória é sequer formada. Nesses casos, a estimulação elétrica não ajudaria.

Mas nos casos em que uma memória se forma, e é difícil de recuperar, a estimulação pode ajudar a acessá-la.

Outras áreas do cérebro também desempenham papéis importantes na recuperação de memórias. Pesquisa agora apontam para compreender melhor as contribuições de cada região cerebral, bem como os efeitos da estimulação cerebral em outros tipos de tarefas de memória.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s